24/06/15

Perdas ou Não

Havia numa aldeia um velho pobre que até os reis invejavam, pois ele tinha um lindo cavalo branco. 

Ofereciam ao bom homem quantias fabulosas pelo animal, mas ele só dizia que seu cavalo não estava à venda.  

Numa manhã, o tal sumiu da cocheira. 

A aldeia inteira se reuniu e então as pessoas disseram:  
— Seu velho estúpido! Sabíamos que um dia o cavalo seria roubado. 

Teria sido melhor vendê-lo. Que desgraça!  

O velho respondeu:  
— Não exagerem. Simplesmente digam que o cavalo não está mais na cocheira. Este é o fato. O resto é julgamento. Se é uma desgraça ou uma bênção, não sei, pois este é apenas um fragmento, uma parte da história.    

Quem pode saber o que vai ser?  
As pessoas riram do velho. Elas sempre desconfiaram que ele era um pouco maluco.  

Quinze dias depois o cavalo voltou. 
Ele não havia sido roubado, apenas tinha fugido para a floresta. 

E ao voltar trouxe consigo uma dúzia de cavalos selvagens.  
— Você estava certo. 
A fuga do animal não se tratava de uma desgraça; na verdade, provou ser uma bênção.  

O velho falou:  
— Novamente vocês estão se adiantando. 

Apenas digam que o cavalo está de volta. 
Se é uma bênção ou não, quem sabe? 
Este é apenas um fragmento. 

Ao ler uma única palavra de uma sentença, como vocês podem julgar todo o processo?  

Desta vez as pessoas não podiam dizer muito. 
Afinal, lindos cavalos tinham vindo...   

O velho tinha um único filho que começou a treinar os cavalos selvagens. 

Mas, uma semana depois, o moço caiu de um deles e fraturou as pernas. 

Novamente as pessoas se reuniram e julgaram, dizendo:  
— Você tinha razão novamente, foi uma desgraça. 

Seu único filho perdeu o uso das pernas e na sua velhice ele seria seu único amparo. 

Agora você está mais pobre do que nunca.  

O velho respondeu:  
— Vocês estão obcecados por julgamentos. 

Não se adiantem tanto.    
Digam apenas que meu filho fraturou as pernas. 

Ninguém sabe se isso é uma desgraça ou uma bênção. 

A vida vem em fragmentos, aos pedaços. 
Mais que isso nunca nos é revelado.  

Aconteceu que, depois de algumas semanas, o país entrou numa guerra e todos os jovens da aldeia foram forçados a se alistar. 

Somente o filho do velho foi poupado, pois era aleijado. 

A cidade inteira chorava, lamentando-se, porque sabia que era uma luta perdida e que a maior parte dos jovens jamais voltaria. 

As pessoas vieram até o velho e disseram:  
— Você tinha razão, velho. 

Aquilo se revelou uma bênção. 

Seu filho pode estar aleijado, mas ainda está com você. 

Já nossos filhos se foram para sempre!  

O velho disse:  
— Vocês continuam julgando. Ninguém sabe! 

Digam apenas que seus filhos foram forçados a entrar para o exército e que o meu não foi.

Somente Deus sabe se isso é uma bênção ou uma desgraça. Nunca julguem, pois vocês ficarão cegos com apenas uma parte da verdade e tirarão conclusões a partir de coisas minúsculas. 

E vocês podem estar errados.  

Um dia, a guerra terminou. 
E quanto aos jovens da cidade que foram lutar... bem, 
essa história vai longe...

----
e eu vos digo:  "A verdade é capricosa, ela é como uma moeda, e sempre, só nos mostrará, uma face por vez." Andreas Laire

Os Mandamentos Cherokee...

Os Mandamentos Cherokee... 

Treat The Earth And All That Dwells thereon With Respect 

Trate a Terra e tudo o que nela habita com respeito

Remain Close To The Great Spirit 

Mantenha-se próximo ao Grande Espírito 

Show Great Respect For all  Beings 

Mostre grande respeito por todas os seres 

Work Together For The Benefit Of All Mankind

Trabalhem juntos pelo benefício da Raça Humana 

Do What You Know Is Right 

Faça o que Você sabe que é certo 

Look After The Well-being Of Mind And Body 

Cuide do bem estar da mente e do corpo 

Dedicate A Share Of Your Efforts To The Greater Good

Dedique uma parte de seus esforços para o Bem Maior 

Be Truthful And Honest At All Times 

Seja sempre verdadeiro e honesto 

Take Full Responsibility For Your Actions 

Assuma total responsabilidade por seus atos.


04/06/15

Somos o que Pensamos

Investigações demonstram que a diferença 
entre os países pobres e os ricos não é a idade.

Isto pode ser demonstrado por países como India e  Egito, que têm mais de 2.000 anos e ainda são muito pobres.

Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova 
Zelandia, que apenas 150 anos atras eram desconhecidos, hoje sao paises desenvolvidos e ricos.

A diferença entre países pobres e ricos tampouco está nos recursos naturais disponíveis.

O Japão possui um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura e a criação de gado, mas é a segunda economia mundial. 

Este país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima de todo o mundo e exportando produtos manufaturados.

Outro exemplo é a Suíça, que não produz cacau, mas  tem o melhor chocolate do mundo. Em seu pequeno território cria animais e cultiva o solo durante apenas quatro meses no ano. Não obstante, produz laticínios da melhor qualidade. 

É um país pequeno que oferece uma imagem de segurança, ordem e trabalho, transformando-o no caixa-forte do mundo.

Executivos de países ricos que se relacionam com países pobres evidenciam que não existe diferença intelectual realmente significativa.

A raça, a cor da pele tampouco são importantes: imigrantes qualificados como preguiçosos em seus países de origem são a força produtiva de países europeus ricos.

Onde está, então, a diferença?

A diferença é a atitude das pessoas, moldada no decorrer dos anos pela educação e pela cultura.

Ao analisar a conduta das pessoas nos países 
ricos e desenvolvidos, constatamos que a grande maioria segue os seguintes princípios de vida:

1 A ética, como princípio básico.
2 A integridade.
3 A responsabilidade.
4 O respeito às leis.
5 O respeito pelos direitos dos demais cidadãos.
6 O amor pelo trabalho.
7 O esforço para economizar e investir.
8 O desejo de superar.
9 A pontualidade.

Nos países pobres, apenas uma minoria segue esses princípios básicos em sua vida diária.

Não somos pobres porque nos faltam recursos 
naturais ou porque a natureza foi cruel conosco.

Somos pobres porque nos falta atitude. Nos falta vontade para cumprir e assumir esses princípios de funcionamento das sociedades ricas e desenvolvidas.


SOMOS ASSIM POR QUERER TOMAR 
VANTAJEM SOBRE TUDO e TODOS.

SOMOS ASSIM POR VER ALGO QUE 
ESTÁ MAL e DIZER: “DEIXA COMO ESTÁ”

DEVEMOS TER ATITUDES E MEMÓRIA VIVA

SÓ ASSIM MUDAREMOS O BRASIL DE HOJE.


Traduzido por Jorcelangelo L. Conti

Os pensamentos geram atitudes.

Atitudes geram hábitos.

Hábitos geram um estilo de vida.

Estilo de vida é o reflexo do caráter.

O caráter de um povo é o reflexo daquilo que ele pensa.

E seus representantes no governo, 
por isto, não pensam diferente.

Nós somos o que pensamos e 
não o que pensamos que somos.

22/02/15

Seis castas do poder

Os idiotas acham que sabem.

Os imbecis acreditam nesses idiotas.

Os arrogantes manipulam os imbecis.

Os imbecis formam novos ignorantes.

Os ignorantes seduzem os ingênuos.

Os ingênuos acreditam nos mentirosos.

Os mentirosos jogam os ingênuos contra os idiotas.

Os idiotas precisam dos imbecis.

E os imbecis precisam dos idiotas para alimentar os ignorantes.

E todos acabam formando a sociedade moderna onde todos vivem em um ciclo vicioso: 

O poder a todo custo, até mesmo nas mínimas coisas, afinal vale tudo, para eles só não é permitido ser inteligente! 

Monir

Perdão

O perdao é um processo mental ou espiritual de cessar o sentimento de ressentimento ou raiva contra outra pessoa ou contra si mesmo, decorrente de uma ofensa percebida, diferencas, erros ou fracassos.

Durante a nossa vida causamos transtornos na vida de muitas pessoas, porque somos imperfeitos.

Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas, falamos sem necessidade, incomodamos.

Nas relacoes mais proximas, agredimos sem intençao ou intencionalmente. Mas agredimos.

Nao respeitamos o tempo do outro, a historia do outro.
Parece que o mundo gira em torno dos nossos desejos o outro é apenas um detalhe.

E, assim, vamos causando transtornos. Esses tantos transtornos mostram que não estamos prontos, mas em construção.

Tijolo a tijolo, o templo da nossa historia vai ganhando forma.
O outro tambem esta em construcao e tambem causa transtornos.

E, as vezes, um tijolo cai e nos machuca.
Outras vezes, é o cal ou o cimento que suja nosso rosto.
E quando não é um, é outro.

E o tempo todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, asssim como os outros que convivem conosco também tem de fazer.

Os erros dos outros, os meus erros, os erros dos outros.
Esta é uma conclusao essencial: todas as pessoas erram.
A partir dessa conclusao, chegamos a uma necessidade humana e cristã:

O perdão.
Perdoar é cuidar das feridas e sujeiras.
É compreender que os transtornos são muitas vezes involuntarios.

Que os erros dos outros são semelhantes aos meus erros. e que, como caminhantes de uma jornada, é preciso olhar adiante.

Se nos preocuparmos com o que passou, com a poeira, com o tijolo caido, o horizonte deixará de ser contemplado. E será um desperdício.

O convite que faço, é que voce experimente a beleza do perdão.

É um banho na alma.

Se eu errei, se eu magoei, se eu julguei mal, desculpe-me por esses transtornos...

Estou em construção !!!

Gabriel Chalita

Fragmento Esotérico do CAMINHO

"Vejo um edifício, enorme. No muro frontal uma estreita porta, as folhas abertas, atrás, vapores sombrios. Defronte ao elevado umbral, uma jovenzinha... 

Uma linda jovem russa. Um sopro desses vapores opacos e glaciais, trazendo das profundezas do edifício, dentro de uma corrente glacial, o som de uma voz audível e pausada. 
- Oh, tu, que aspiras ultrapassar este umbral sabes o que te esperas? 
- Sei, responde a jovenzinha. 
- O frio, a fome, o ódio, as zombarias, o desprezo, a injustiça, a prisão, a doença, mesmo a morte? 
- Sei. 
- Estás disposta a ser rechaçada por todos? Estás disposta à completa solidão? 
- Estou preparada para isso. Eu o sei. Suportarei todos os sofrimentos e infortúnios. 
- Mesmo se não vêm dos inimigos, mas sim dos parentes? .
- Sim... mesmo deles. 
- Bem. Aceitas o sacrifício? 
- Sim. 
- O sacrifício anônimo? Morrerás e ninguém... 
ninguém saberás nem mesmo a que memória honrar. 
- Não tenho por que ter reconhecimento nem piedade. Nem por que ter um nome. 
- Estás preparada para o crime? 
A jovenzinha baixa a cabeça. 
- Mesmo para o crime. 
A voz que a interroga não continua imediatamente. 
Finalmente recomeça:
- Sabes que um dia poderias não crer mais do que agora crês e chegar a pensar que te enganaste e que foi por nada que perdeste tua jovem vida? 
- Isso também sei. Mesmo sabendo-o, quero entrar. 
A jovenzinha atravessa o umbral, cai uma pesada cortina. 
Rangendo os dentes, alguém profere, atrás dela:
- Uma boba!
Ao que responde uma voz, vindo de alguma parte:
- Uma santa!"

Este fragmento de origem esotérica da uma idéia do acesso ao CAMINHO. 

O "Caminho tem um sentido único". Quer dizer que, para aquele que com ele se compromete, o caminho de volta está proibido. 

Não em virtude de qualquer imperativo externo, mas pelo fato de que cada passo no Caminho modifica irrevogavelmente o conteúdo interior de quem nele se comprometeu. 

Em conseqüência disto, torna-se, mais e mais estranho ao seu meio; perde mais e mais interesse pela vida exterior, da qual ontem ainda participava plenamente. 

O aspecto das coisas e sobretudo dos seres, sofre, a seus olhos, uma profunda mudança. Se surpreenderá, um dia, ao constatar que certos rostos, nos quais ainda ontem encontrava marcas de grande beleza, deixam agora, transparecer marcas de bestialidade. 

Quanto mais progride o homem no Caminho, mais se acentua nele um sentimento de ser estrangeiro. Logo, se tornará tedioso; um pouco mais tarde, insuportável; finalmente, odioso. É por isso que

"... não há profeta sem honra senão na sua terra, entre seus parentes e na sua casa".

Aquele que quer comprometer-se nos estudos esotéricos é convidado a refletir duas vezes e a suspeitar de tudo antes de lançar-se a ultrapassar o "fosso-umbral". 

Porque, repitamo-lo, não lhe será mais possível voltar à vida exterior e ali encontrar, como no passado, satisfação e prazeres. 

De toda forma, ao lado das dificuldades, que são os primeiros resultados de sua evolução, o homem receberá impressões reconfortantes, sobretudo nas suas relações humanas. 

Surpreender-se-á ao perceber, um dia, que certos rostos que ainda ontem lhe pareciam comuns, resplandecem hoje, a seus olhos, com uma beleza deslumbrante. É porque seu olhar, aguçado pelo trabalho esotérico, adquire a faculdade de penetrar além da aparência. 

É entre esses seres mais límpidos que encontrará seus novos amigos. Sua sociedade o receberá como um dos seus. Ali será compreendido e a comunidade de interesses e objetivos será para todos uma ajuda e um estímulo. 

(Livro - Gnose)

14/12/14

IDADE DO AMOR


MULHER MADURA a IDADE DO AMOR ...!!!!

"Tome a mesma mulher aos 20 e depois aos 40 anos. Num segundo momento ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que no primeiro. 

Ela perde o frescor juvenil, é verdade.  Mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma, de um homem. 

Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20. Só que é compensado por outros atributos encantadores de que se reveste a mulher depois dos 40. 

Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, Certeira no trato consigo mesma e com seu Homem.

Depois dos 40, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo ... 

Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo-astral. 

Quer é ser feliz. Se o seu homem não gostar do jeito que ela é, que vá procurar outra, hoje ela não chora, esperneia... ela é independente em tudo. Ela só quer quem a mereça.

Depois dos 40, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar. 

Sabe escolher sapatos, tecidos e decotes, maquiagem e corte de cabelo. 

Mas, sobretudo, gosta melhor. E tem gestos mais delicados e elegantes.

Depois dos 40, ela carrega um olhar muito mais matador quando Interessa matar... rsrsr 

E finge indiferença com mais competência quando interessa repelir. Ela não é mais bobinha. Não fica mais inconstante.

Mulher que é mulher, se pudesse, não vestiria duas vezes a mesma roupa, nem acordaria dois dias seguidos com o mesmo humor. Mas, depois dos 40, ela já sabe lidar melhor com este aspecto peculiar da condição feminina. 

E poupa (exceto quando não quer), o seu homem desses altos e baixos hormonais que aos 20 a atingiam e, quem mais estivesse por perto irremediavelmente. 

Aos 20, a mulher tem espinhas. Depois dos 40, a mulher tem pintas.

Encantadora pintas... que só sabem mesmo onde terminam, uns poucos e sortudos, escolhidos. 

Sim, aos 20, a mulher é escolhida. Depois dos 40, é ela quem escolhe. Não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. 

Só usa lingeries com Altíssimo Poder de Fogo. Também aprende a se Perfumar na Dose Certa, com a fragrância exata. 

A mulher depois dos 40, mais do que aos 20, cheira bem, dá gosto de olhar, captura os sentidos, provoca fome.

Depois dos 40, ela é mais natural, sábia e serena. Menos ansiosa menos estabanada. Seus lábios, mais reluzentes. Sua saliva, mais potável;

O jeito de olhar tem mais glamour.

Depois dos 40, quando ousa no quer que seja, a mulher costuma acertar em cheio.

No jogo com os homens, já aprendeu a atuar no contra-ataque. 

Quando dá o bote, é pra liquidar a fatura. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. 

Mostra sua força na hora certa e de modo sutil. Não para exibir poder, mas para resolver tudo a seu favor antes de chegar o ponto de precisar exibi-lo.

Se você, mulher, anda preocupada porque não tem mais 20 anos, ou porque ainda não tem, mas percebeu que eles não vão durar para sempre, fique tranquila. É precisamente, a partir dos 40, que o 
JOGO COMEÇA A FICAR BOM BOM !!!

- Artur de Távola -